fbpx

Semear – Psicologia e Neurociência

ARTIGOS

Devido ao fechamento das escolas e demais instituições de ensino por conta da pandemia, estima-se que cerca de 91% dos alunos em todo o mundo ficaram afastados da sala de aula em 2020. Com isso, os alunos se depararam com uma nova realidade de ensino remoto e a necessidade de adaptação da rotina familiar para esse contexto. A extensão do impacto do isolamento social e da pandemia nas crianças ainda não é ao todo conhecida, mas sabe-se que a transição para o ensino remoto trouxe novos desafios para as famílias, ampliando as desigualdades entre a educação pública e privada.  O afastamento dos alunos do ambiente escolar trouxe prejuízos importantes para a aprendizagem das crianças, principalmente para aquelas que já apresentavam dificuldades antes da pandemia. Apesar disso, alguns estudos têm apontado para o papel dos pais na aprendizagem dos filhos durante o ensino remoto, destacando que o engajamento parental pode ajudar…

Leia mais

Desde o início da pandemia de Covid-19, muitas famílias passaram a ficar a maior parte do tempo em casa por conta da implementação de medidas de isolamento social. Com o fechamento das escolas e os pais trabalhando em casa, muitas vezes sem suporte, a frequência e qualidade das interações com as crianças diminuíram significativamente. Por conta disso, nesse período, foi possível observar um aumento de casos de crianças com dificuldades de linguagem, tanto oral como escrita. A privação na interação tem levado a muitos atrasos na comunicação e na linguagem das crianças, considerando que alguns domínios da linguagem sofrem grande influência tanto da quantidade como da qualidade de estímulos a que a criança é exposta no dia a dia. O ambiente em que a criança está inserida influencia seu desenvolvimento cerebral e afeta diferentes componentes cognitivos. Diferentes estudos têm apontado os prejuízos da privação de interação na linguagem decorrente da…

Leia mais

Existem diferentes motivos que levam uma criança a ser encaminhada para terapia, seja por indicação da escola, do profissional da saúde ou por interesse da própria família. Algumas das principais demandas para terapia na infância envolvem questões familiares, como a separação dos pais, questões escolares, como dificuldades de aprendizagem e conflitos entre colegas, ou questões comportamentais, como as birras. Ainda, a criança pode ser encaminhada para psicoterapia para realizar o tratamento de algum transtorno específico. A psicoterapia na infância apresenta algumas características diferentes da intervenção com adultos, como a participação dos pais no tratamento e o uso de materiais lúdicos durante a sessão. Os brinquedos, jogos e materiais gráficos podem ser ferramentas utilizadas pelo psicólogo para acessar as questões a serem trabalhadas com o paciente. Como as crianças não apresentam as mesmas capacidades linguísticas que os adultos para falar sobre seus próprios sentimentos e pensamentos, a brincadeira costuma ser um…

Leia mais

Os problemas atencionais de pacientes com TDAH podem ser compensados por intermédio da implementação de estratégias compensatórias. Entretanto, nem sempre os pacientes com TDAH conhecem suas dificuldades e sabem como transpô-las. Assim, é recomendado que pais, mães, professores e clínicos ensinem estratégias para ajudar as crianças, adolescentes ou adultos que tenham TDAH a compensar seus problemas de atenção na resolução de atividades.  Entre as estratégias a serem ensinadas estão: Identificar e a destacar o que é importante para a execução das atividades; Organizar as informações em esquemas; Buscar na memória as informações aprendidas, sejam elas o significado de palavras, respostas às perguntas ou procedimentos; Planejar antes de agir, ou seja, pensar nos caminhos possíveis antes de tomar decisões e executar as tarefas; Organizar a resolução escolhida em passos; Monitorar a execução da atividade, modulando a atenção, conforme a dificuldade da tarefa e a perceber eventuais momentos de desatenção Revisar a…

Leia mais

Inteligência Emocional é a capacidade de administrar as próprias emoções e usá-las a seu favor, além de compreender as emoções das outras pessoas, construindo relações saudáveis, fazendo escolhas conscientes e adquirindo uma melhor qualidade de vida. A ela pode ser compreendida através de 5 domínios principais! Esses domínios dizem respeito às habilidades intra e interpessoais!⠀ Os pilares que se relacionam com a inteligência emocional intrapessoal (de um indivíduo consigo mesmo) são:⠀ Autoconsciência: é a capacidade de reconhecer suas emoções enquanto elas estão acontecendo! Pessoas que conseguem identificar suas emoções têm uma maior consciência de como se sentem em relação a decisões pessoais (tipo com quem casar ou qual emprego aceitar) e isso faz com que tomem decisões mais assertivas! Além disso, se você é autoconsciente, é muito mais provável que você consiga dominar suas emoções e não deixar que elas dominem você!⠀ Capacidade de lidar com as emoções: esse domínio…

Leia mais

Como abordamos no texto anterior, nossa memória de trabalho é um espaço de pensamento onde as informações necessárias para fazer uma tarefa ficam armazenadas por um curto espaço de tempo, enquanto estas são manipuladas para serem integradas e armazenadas na memória de longo prazo. A Atenção seleciona e mantém na memória de trabalho as informações oriundas da percepção e da memória de longo prazo necessárias para a execução de uma tarefa, o que é necessário para o planejamento e a tomada de decisão sobre ações a fazer. Pessoas com problemas atencionais cometem erros na escolha das informações mais importantes necessárias para a execução de uma tarefa ou , mesmo que escolham corretamente, não conseguem mantê-las no pensamento, tendo a sensação que elas se apagam. Podem não lembrar de alguns assuntos ou recuperar tópicos irrelevantes.  Durante a realização de atividades tomam decisões errôneas ou não conseguem perceber erros durante a execução.…

Leia mais

A Memória de Trabalho é em um sistema de capacidade limitada que permite o armazenamento temporário e a manipulação das informações durante tarefas complexas.  Também chamada de Memória Operacional, é uma memória de curto prazo que utilizamos para manter e manipular as informações oriundas de nossa percepção e de nossa memória de longo prazo.  Em palavras mais simples, a Memória de Trabalho é um espaço de pensamento onde as informações necessárias para fazer uma tarefa ficam armazenadas por um curto espaço de tempo. Por exemplo, para poder compreender esse texto você precisa manter “online” no seu pensamento as informações que o texto vai trazendo, buscar na memória de longo prazo informações que tenham relação com esse assunto e então integrar todas essas informações. Para isso, é preciso ter um espaço de pensamento, onde estas informações são mantidas, manipuladas e integradas, para depois serem armazenadas. Quando lemos ou escrevemos um texto,…

Leia mais

“por meio da autocompaixão nos tornamos um aliado interno em vez de um inimigo interno” A autocompaixão é tratar a si mesmo com a mesma gentileza, preocupação e apoio que teria com alguém querido. Quando vemos alguém de quem gostamos a confrontar-se com momentos difíceis na vida ou a enfrentar determinados desafios pessoais, falhas e inadequações, respondemos com amabilidade e não com julgamento severo, reconhecendo que a imperfeição faz parte de toda a experiência humana, o que se traduz na autocompaixão.  Essa definição que vimos é uma forma simples de enxergar a autocompaixão. A definição mais completa envolve 3 elementos: mindfulness, autobondade e humanidade compartilhada.  Mindfulness (presença): Estar aberto às experiências do momento presente, permitindo sentir as emoções, pensamentos e sensações. Ele é um componente importante para a autocompaixão porque precisamos ser capazes de reconhecer o nosso sofrimento e responder a ele com amor e gentileza.  Autobondade (amorosa):  Em vez…

Leia mais

Nos primeiros meses de 2020, fomos todos pegos de surpresa por um inimigo invisível.  Olhando por esse lado, é surreal pensarmos a inconstância que é a vida. Estávamos todos adaptados e vivendo normalmente nossas rotinas – que embora nem sempre estáveis, nos ocupava de maneira previsível, entre os afazeres da vida profissional, familiar, social e recreativa. A verdade é que a pandemia modificou, do dia para noite, a nossa habitual forma de viver. Junto com ela, vieram inúmeros sentimentos, dentre eles, o medo, a incerteza, a sobrecarga, a tristeza e a ansiedade, pois a experiência é e sempre será permeada pelas nossas representações internas dos fatos, isto é, a maneira como os enxergamos.  Nesta situação global que estamos vivenciando, nos encontramos muito frágeis e portanto, nossos esquemas encontram-se fortemente ativados, trazendo sofrimento e disfuncionalidade em alguns aspectos. A teoria dos esquemas, uma abordagem derivada da Terapia Cognitivo Comportamental, descreve 18…

Leia mais

No texto anterior falamos sobre os diferentes tipos de dislexia: fonológica, visual ou lexical e mista. Muitas pessoas pensam que a criança disléxica obrigatoriamente vai apresentar grandes dificuldades na fase inicial de aprendizagem da leitura e escrita, durante o processo de alfabetização. Porém, isto não é uma regra, pois vai depender do tipo de dislexia, ou seja, como já foi explicado no texto anterior, da região do cérebro que é hipoativada em cada caso. No caso da dislexia fonológica, se tem um déficit fonológico, sendo que a base auditiva fonológica vai estar alterada. Neste caso serão observadas alterações tanto na consciência fonológica, que é a habilidade de refletir sobre os aspectos orais da fala, quanto na escrita. Geralmente esta criança é identificada no início da escolarização, na fase de alfabetização, pois nesta fase de aprendizagem da leitura e escrita há maior utilização da rota fonológica. Na dislexia mista, também vai…

Leia mais

10/28